Total de visualizações de página

Seguidores

domingo, 17 de outubro de 2010

Para trás é que se anda


JANIO DE FREITAS 

Para trás é que se anda

A exigência religiosa volta a submeter a política; a responsabilidade não é apenas do radicalismo em nome da fé mas também dos candidatos


A ELEIÇÃO PRESIDENCIAL degenera de vez. O passado retorna, sem cuidar nem sequer de disfarçar-se.
A exigência religiosa, legítima para os possuidores de crença, ultrapassa-os e volta não só a submeter a política em seu nível mais alto de participação democrática, que é a escolha pelo voto geral do futuro governante de toda a nação. Esse movimento vai também contra a liberdade de pensamento, na ação para impedir a opção política e cultural de candidatos e dos eleitores não religiosos ou religiosos sem extremismo. Mas a responsabilidade pelo retrocesso não é só do radicalismo político em nome da fé cristã. É também dos candidatos.
José Serra está a um passo de reproduzir atos e fases deploráveis, parte das quais vitimaram a ele próprio. Sua oferta de compra da adesão eleitoral -com promessa de aumento extra do salário mínimo, duplo aumento das aposentadorias com o salário mínimo e acréscimo específico, doação de dinheiro federal a mais de quatro mil municípios para aumentarem os professores do fundamental -segue duas matrizes notórias do populismo: Adhemar de Barros e Orestes Quércia. E depara-se com uma interrogação: onde ficam a defesa inflexível do "rigor fiscal", tese permanente de José Serra, e suas persistentes acusações ao atual governo de gastos e aumentos excessivos? O velho populismo reanima-se.
O "santinho", semelhante a cartão de crédito, que José Serra começou a distribuir na sexta-feira, em uma espécie de comício com professores de São Paulo, traz, de um lado, a sentença "Jesus é a verdade e a justiça", seguida da assinatura de José Serra. Mas não só: tem a combinação das imagens de Jesus e do próprio Serra. Na outra face: "Serra é do bem".
A biografia de Serra inclui um colar de disputas eleitorais, em perto de 25 anos. Em nenhuma delas, porém, o cristianismo do candidato se mostrou, nem Jesus, Deus e Maria foram feitos personagens de sua busca de votos. O nível político não cai sozinho: cai levado por pessoas.
Quem não está com Serra não é do bem, é a sugestão da sua carteirinha de associado a Cristo. Tal como os que não professavam, antes do golpe, posições conservadoras, eram (ou são) nacionalistas, ou defensores da Petrobras e de reformas estruturais. Todos "perigosos comunistas", gente do mal, negadora de Deus. Fase que tanto custou ao país superar. E que a caravana comandada em Goiás por Serra, ostentando e beijando um terço, lembrou como imitação da Marcha com Deus pela Família e a Liberdade, puxada em Rio e São Paulo pelo reverendo da CIA, padre Payton, nos preparativos finais para o golpe.
Serra não precisa desses recursos. Como não precisava da campanha do medo em 2002, com a qual nada ganhou. E que retoma em versão nova, transferindo o medo a um governo de Lula para o medo à posição humanitária e científica contra a criminalização do aborto como princípio. Se vencer com esses recursos, Serra não terá por que orgulhar-se da vitória. Se perder, fica sob o risco de ser-lhe atribuído um papelão idêntico ao da campanha do "eu tenho medo".
Dilma Rousseff mantém mais recato, mas não fugiu ao retrocesso. Sua candidatura nasceu à maneira da Velha República, escolha fechada e impositiva, patrocínio escancarado do presidente. Jamais escondeu, até sentir-se oprimida por católicos e evangélicos, seu apoio à descriminalização do aborto. A "mensagem aos cristãos" que lançou anteontem, por mais cuidadosa que seja em driblar uma inversão de posições, é uma concessão evidente contra as suas convicções. Com fins meramente eleitorais, culminância da vida de praticante cristã agora invocada quase a cada fala sua. O que também é, nos dois casos, uma forma do fisiologismo que envenena a política.
Seria uma desgraça termos superado a ameaça de Collor, cinco anos depois da democratização, para jogarmos no passado o que foi percorrido nos 25 anos de pós-ditadura. É o que está acontecendo sob nossos olhos indiferentes, no entanto.

Nenhum comentário: